Simão Sessim comemora reinauguração da maternidade Mariana Bulhões

O segundo-secretário da Câmara dos Deputados, Simão Sessim (PP-RJ), disse na tribuna do plenário Ulysses Guimarães que a reabertura da Maternidade Mariana Bulhões trouxe esperança e dignidade para as mães de Nova Iguaçu. O deputado aproveitou a sessão da Câmara, na última quinta-feira (5), para destacar a obra que custou aos cobres municipais e estaduais R$ 3,5 milhões de reais.

“A nova unidade resgata para as mães da Baixada Fluminense, o direito de darem à luz um filho da região, fato que, há tempo, vinha sendo impossível por absoluta falta de maternidades públicas municipais. O jeito, até então, era procurar socorro em unidades médicas particulares ou em hospitais da capital”, disse o deputado.

Fechada desde julho do ano passado, a Maternidade Mariana Bulhões reabriu suas portas totalmente revitalizada, com equipamentos de ponta e capacidade de realizar, pelos menos 350 partos por mês. Em 2014, vai ser construído um prédio anexo com dois andares, o que aumentará capacidade da maternidade para 750 partos mensais, além de 72 leitos de enfermaria e 30 de UTI neonatal.

Simão Sessim explicou que a reabertura da maternidade faz parte do programa Mães da Baixada que tem como objetivo melhorar o atendimento às gestantes da Baixada Fluminense. A unidade, que manteve o perfil de alto risco, passa agora a contar com um setor de classificação de risco.

“Reitero, portanto, desta tribuna o meu carinho, o meu respeito a esperança de ver a Baixada Fluminenses consolidando, cada vez mais, políticas públicas que permitam o resgate da cidadania e dignidade de seu povo”, concluiu Simão Sessim.

Segue discurso na íntegra

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a Baixada Fluminense, região que tenho a honra de representar nesta Casa do Povo, viveu, neste domingo, dia 1º de dezembro, um dia muito especial, de festa, de confraternização e, porque não dizer, também de esperança.

Tive a honra, a felicidade de testemunhar, em Nova Iguaçu, ao lado do Ministro Alexandre Padilha, da Saúde; do Governador Sérgio Cabral; do Vice-Governador, Luiz Fernando Pezão; e do Secretário Estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, a reabertura da nova Maternidade Mariana Bulhões.

A nova unidade, que custou cerca de R$ 3,5 milhões aos cofres municipais e estaduais, resgata, Senhor Presidente, finalmente, para as mães da Baixada Fluminense, o direito de darem à luz um filho da região, fato que, há tempo, vinha sendo impossível por absoluta falta de maternidades públicas municipais. O jeito, até então, era procurar socorro em unidades médicas particulares ou em hospitais da capital.

Fechada desde julho do ano passado, a Maternidade Mariana Bulhões reabre suas portas, agora, totalmente revitalizada, com equipamentos de ponta e capacidade de realizar, pelo menos 350 partos por mês.

E já se prepara para ampliar suas dependências, com a construção, já em 2014, de um anexo de dois andares, o que aumentará sua capacidade para 750 partos mensais, além de 72 leitos de enfermaria e 30 de UTI neonatal.

A reabertura da Maternidade Mariana Bulhões, Senhor Presidente, é reflexo, consequência da disposição e determinação do prefeito Nelson Bornier, nosso ex-companheiro, por vários mandatos, nesta Casa, e que tem ao seu lado, na Secretaria Municipal de Saúde, o jovem médico ortopedista Luiz Antônio Teixeira Junior, um dos grandes braços do seu Governo.

Como bem frisou o Ministro Padilha, a dignidade das mulheres de Nova Iguaçu e da Baixada Fluminense foi colocada em primeiro lugar. E isso se deve, Senhor Presidente e nobres deputados, à consolidação da grande parceria no Estado do Rio de Janeiro, envolvendo os Governos Municipal, Estadual e Federal, desde que Sua Excelência o Presidente Lula chegou ao Poder.

Aliás, Senhor Presidente, uma parceria que está ajudando a melhorar a saúde do povo fluminense, sobretudo da Baixada Fluminense. A partir da gestão Sérgio Cabral, há cerca de oito anos, a nossa região foi dotada de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), ganhamos o Hospital da Mãe, em São João de Meriti, o Hospital da Mulher, em Mesquita, inúmeras Clínicas da Família e uma série de outras medidas que estão ajudando a amenizar o sofrimento de cerca de 4 milhões de habitantes, antes praticamente desassistidos.

Agora, com a nova Maternidade Mariana Bulhões, são mais 40 leitos de enfermaria, quatro dos quais em UTI materna, 20 outros leitos de UTI neonatal, sala de classificação de riscos e quatro grandes emergências.

Reitero, portanto, desta tribuna o meu carinho, o meu respeito e a esperança de ver a Baixada Fluminense consolidando, cada vez mais, políticas públicas que permitam o resgate da cidadania e dignidade de seu povo.

Muito obrigado!

 

Comentário

Leave a comment

%d blogueiros gostam disto: