Eleito Deputado Federal 10 vezes seguidas!

Quarenta anos de vida pública dedicada ao serviço público pela cidade de Nilópolis,
pelo Estado do Rio de Janeiro e pelo Brasil!

Prefeitura de Nilópolis assina convênios e anuncia mais obras de infra-estrutura

Assinatura do convênio com a Caixa Econômica Federal. Foto: Naldo Mesquita.

A Prefeitura de Nilópolis foi beneficiada por R$ 12.902.100,00 de verbas federais para investir em obras de infra-estrutura na cidade. A assinatura do convênio para liberação dos repasses foi firmada com a Caixa Econômica Federal na manhã da última segunda-feira (07/02), na Prefeitura. Além do prefeito Sergio Sessim, estiveram presentes vereadores, secretários municipais, representantes da Caixa e dos deputados Simão Sessim e Ricardo Abrão, federal e estadual respectivamente.

Os recursos federais irão se somar a contrapartida de R$ 1.259.331,46 que a Prefeitura irá aplicar, totalizando R$ 14.161.431,46. Entre as obras que serão executadas pelo município com recursos da União, estão: Continuidade do projeto de acessibilidade, dando prosseguimento à padronização das calçadas do município; construção de uma escada rolante, ligando a Estação Ferroviária de Nilópolis até a Praça Prefeito Miguel Abrão; Construção de um ginásio e quadras poliesportivas no Parque Municipal Natural do Gericinó, Revitalização de diversas praças e um pacote de obras de pavimentação e drenagem em diversos bairros; Revitalização da sinalização Viária e a construção de um Telecentro no bairro de Olinda.

Os recursos federais foram obtidos através de emenda parlamentar e as obras irão se juntar as diversas que já estão em andamento no município, como o Ginásio Municipal, Concha Acústica, Novo Calçadão da Av. Mirandela, Novo Viaduto, recapeamento asfáltico em diversas ruas e muito mais.
(Fonte: Site da Baixada)

Discurso do dia 09/02/2011

O SR. SIMÃO SESSIM (Bloco/PP-RJ. Pronuncia o seguinte discurso.) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, é com muita alegria no coração que reassumo pela nona vez consecutiva, agora para a 54ª Legislatura, as minhas atividades nesta Casa, com a honrosa delegação que me foi conferida pelo meu querido, amado e respeitado povo do Estado do Rio de Janeiro.

Não medirei esforços para atender às expectativas dos 78.800 amigos eleitores que me reconduziram a esta Casa para o nono mandato consecutivo, tornando-me, desta forma, com muita honra, o terceiro parlamentar mais antigo nesta Casa, ao lado de figuras tão ilustres, tão ilibadas e conceituadas no cenário nacional como Henrique Eduardo Alves, Inocêncio Oliveira e Miro Teixeira.

Reiniciamos nossos trabalhos com uma renovação nesta Casa de 44%. São 226 novos Deputados compromissados com o propósito de defender o interesse maior do povo brasileiro.

Aproveito a oportunidade para manifestar meu sentimento de carinho e apreço a todos os colegas com quem convivi e muito aprendi nesta Casa até a Legislatura passada, mas que, infelizmente, a partir de agora não mais estarão conosco. Alguns deles vão continuar a nobre missão da vida pública na Casa ao lado, o Senado Federal, e dar sua contribuição para o fortalecimento do Congresso Nacional.

Estendo minhas esperanças ao sucesso do Governo da Excelentíssima Senhora Presidenta da República, Dilma Rousseff, que assumiu o cargo maior da vida pública deste País sob forte clima de confiança da sociedade brasileira de que fará um governo melhor ou igual ao do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, conforme revelou pesquisa Datafolha de dezembro passado.

Tive o prazer de ler notícia recente dando conta de que as previsões mais modestas do Governo Federal de crescimento para 2011, em relação ao desempenho da economia nacional em 2010, não desanimam os empresários brasileiros. Ao contrário, pesquisa realizada em outubro pela Câmara Americana de Comércio, em parceria com o IBOPE, revelou que, em 2010, 80% dos empresários apostavam no aumento de vendas, ao passo que para 2011 o otimismo é ainda maior e a expectativa bate 87% do universo de 500 empresas consultadas.

Outra boa notícia, publicada na edição especial O mundo em 2011, da revista semanal inglesa The Economist, projeta que o Brasil tornar-se-á a sétima maior economia do planeta neste ano, com Produto Interno Bruto (PIB) superior a 2 trilhões de dólares, superando a economia italiana, que nunca antes fora menor do que a brasileira.
Certamente a Presidente Dilma Rousseff também terá nesta Casa uma base ampla para tocar medidas importantes que ficaram pelo caminho, tais como a reforma política e a reforma tributária, de forma que o sistema seja de fato simplificado, racionalizado e modernizado, como deseja a sociedade brasileira.

Esse talvez seja o maior desafio da Presidenta Dilma Rousseff, visto que há na sociedade brasileira consenso sobre sua necessidade e urgência.

E esta Casa, Sr. Presidente, nobres Deputados, com certeza vai pautar sua conduta no discurso mais voltado para o confronto das idéias e o aperfeiçoamento das políticas públicas.

Estamos, portanto, torcendo para que a Presidenta Dilma Rousseff consiga garantir o crescimento econômico sustentável, melhorar a qualidade do gasto público e erradicar a miséria extrema do povo brasileiro.

Como S.Exa. deixou claro, para ser verdadeiramente democrático, o Brasil precisa criar oportunidades para todos.

Muito obrigado, Sr. Presidente.

Discurso do dia 08/02/2011

O SR. SIMÃO SESSIM (PP-RJ. Sem revisão do orador.) – Deputada Rose de Freitas, quero saudá-la e parabenizá-la pela nova e nobre missão que ocupa. Para nós é uma alegria muito grande ter V.Exa. na Presidência.

Sra. Presidenta, Sras. e Srs. Deputados, não poderia deixar de manifestar meu sentimento de perda e de solidariedade aos dirigentes e componentes das escolas de samba União da Ilha do Governador, Portela e Grande Rio, diante da tragédia dessa segunda-feira, por que não dizer, de cinzas, que acaba de abalar não apenas os desfiles do Grupo Especial, mas todo o Carnaval do Rio de Janeiro.

Infelizmente, faltando apenas um mês para os desfiles na passarela da Marquês de Sapucaí — espetáculo deslumbrante, esplendoroso e de rara beleza — , barracões de três das 14 escolas tradicionais do Rio de Janeiro, localizados na Cidade do Samba, foram atingidos por um incêndio de causa ainda desconhecida de todos nós, mas de proporções sem precedentes na história do Carnaval carioca.

Em apenas algumas poucas horas, as chamas e colunas de fumaça, que podiam ser vistas a quilômetros de distância, transformaram em lágrimas e cinzas o sonho e a fantasia de dezenas de milhares de pessoas.
Confesso, fiquei triste, muito abalado e, por que não dizer, também bastante traumatizado diante de tamanha tragédia. Foi muito triste para todos nós que convivemos com os irmãos do samba carioca, ver atônitos, desesperados, os Presidentes Helinho Oliveira, da Grande Rio; Ney Filardi, da União da Ilha do Governador; e Nilo Figueiredo, da Portela.

As chamas lamberam, impiedosamente, quase 9 mil fantasias, incontáveis alegorias, carros alegóricos gigantescos, provocando um prejuízo incalculável e irreparável para uma das culturas brasileiras que mais encanta o mundo inteiro.

A situação só não foi ainda pior graças ao trabalho heróico dos abnegados homens do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, que entraram de peito aberto e conseguiram evitar uma desgraça em maiores proporções.

Resta agora a solidariedade dos demais Presidentes das escolas coirmãs, que já estão unidos em processo de mutirão para não deixar que o brilho dos desfiles do Carnaval, que se aproxima, seja ofuscado por completo.

Certamente, não faltará garra dos componentes das escolas atingidas, que, de cabeça erguida, levarão para a avenida, no carnaval deste ano, o enredo da superação que certamente haverá de sacudir o nosso sentimento de fé e esperança.

Muito obrigado.

A SRA. PRESIDENTA (Rose de Freitas) – Esta Casa se soma ao sentimento de solidariedade de V.Exa. e parabenizo-o pelo pronunciamento.

Degase

Simão Sessim reconhece trabalho realizado no Degase.

Aqui é proibido adoecer

É preciso urgentemente achar soluções para solucionar a falta de UTIs na baixada.

Todos os dias a população da baixada vive a angústia de buscar vagas nas Unidades de Atendimento Intensivo (UTIs) dos hospitais públicos, porque a carência de leitos é uma verdade incontestável.

A Baixada conta com 25 leitos de UTI para atender ou, pelo menos tranquilizar, quatro milhões de pessoas. Uma conta que resulta na existência de um leito para cada grupo de 160 mil habitantes.

Quem, na baixada, precise de UTI é quase sempre removido para a Cidade do Rio de Janeiro e lá, pena de porta em porta nos hospitais públicos à busca de socorro. Isso, quando não morre na Avenida Brasil ou na Linha Vermelha, em razão da distância e dos constantes congestionamentos.

É verdade que para evitar a peregrinação existe a Central de Regulação, mas, quando a relação entre a necessidade de leitos e a existência deles é grande, ela pouco ou nada pode fazer. E, a repetida falta de solução para a demanda provoca descrédito e aumenta o desespero.

A falta de UTI é uma sentença de morte para quem delas tem necessidade. Para pacientes de todas as idades com perigo iminente de morte, mas com chances reais de sobrevivência se monitorados corretamente até o momento em que se criem as condições ideais para tratamento da doença original.

Este é um tema que precisa ocupar, com absoluta prioridade, a pauta de trabalho dos governos. É preciso, urgentemente, encontrar soluções.

Um caminho seria a construção de um hospital completo e regional na Baixada Fluminense, que comporte estruturas de atendimento intensivo, inclusive para neonatal. Esta é uma medida que eu defendo e cobro há muitos anos ao lado da sugestão de ampliar os hospitais municipais da baixada fluminense para dotá-los de Unidades de Atendimento Intensivo.     As prefeituras da baixada compreendem a necessidade, mas não têm recursos financeiros para, por conta própria, operarem a expansão. Elas precisam do apoio do Governo do Estado ou do Governo Federal, pelo menos até que uma reforma tributária devolva-lhes a autonomia financeira que está quase completamente centralizada na União.

Consciência Negra

Discurso do Deputado Simão Sessim sobre o dia da Consciência Negra,onde presta homenagem ao “Almirante  Negro” João Cândido Felisberto , que protagonizou a “Revolta da Chibata”.

Preservar a memória é uma das formas de construir a história. É pela disputa dessa memória, dessa história, que no próximo sábado, dia 20, o Brasil tem um compromisso muito especial com o Dia da Consciência Negra.

Aliás, Sua Excelência o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente eleita, Dilma Rousseff, já confirmaram presenças ao lado do ilustre Ministro Elói Ferreira de Araújo, da Igualdade Racial, na próxima sexta-feira, na Praça XV, no Rio de Janeiro, onde está sendo comemorada a Semana da Consciência Negra, que contará também com show da velha Guarda da escola de samba Vila Isabel e Martinho da Vila.

Trata-se, na verdade, de uma data que nos leva à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. Ela foi escolhida, não por acaso, mas por coincidir com a morte de Zumbi dos Palmares, em 1695, líder da resistência do negro à escravidão de forma geral.

A homenagem a Zumbi, senhor presidente e nobres deputado, é mais do que justa diante do que este personagem histórico representou na luta do negro contra a escravidão, no período do Brasil Colonial, e que por isso mesmo acabou oferecendo a própria vida pela liberdade de seu povo.

É fato incontestável que os negros africanos colaboraram muito, durante nossa história, nos aspectos políticos, sociais, gastronômicos e religiosos de nosso país. Por isso mesmo, a data de 20 de novembro deve se constituir em um motivo a mais para que possamos comemorar nas escolas, nos espaços culturais e em outros locais, valorizando a cultura afro-brasileira.

Hoje os afro-brasileiros representam quase metade da população e sua influência está presente na música, na dança, na língua, na culinária, no nosso folclore. E com tantas contribuições para a cultura do país, certamente os negros passaram a valorizar mais a sua identidade.

Não estaríamos exagerando,  se disséssemos que também ecoa um grito de liberdade nos Quilombos da minha querida e amada Baixada Fluminense, onde ocorreu, da mesma forma, um intenso processo de resistência escrava.

Aliás, senhor presidente, uma dessas resistências também está sendo lembrada, esta semana, na pessoa do ilustre cidadão de São João de Meriti, João Cândido Felisberto, nosso querido e eterno ‘Almirante Negro’. Filho de ex-escravo, rebelde, ele protagonizou, com bravura e determinação, a ‘Revolta da Chibata’ em defesa dos marujos da Marinha de Guerra do Brasil, a maioria deles formada por negros, para protestar, para questionar o conjunto de leis a que estava submetido e que regulamentava a disciplina na corporação, tais como submeter os praças a punições desumanas, a base de chibatadas e outros tipos de castigos cruéis.

Os municípios da Baixada Fluminense, a exemplo de Nilópolis, também promovem durante os próximos dias uma extensa programação para reverenciar seus ancestrais de origem afro-descendente.

Não podemos esquecer,  que no final da década de 70 e meados dos anos 80, vários movimentos culturais, a exemplo da Pastoral do Negro, do Movimento Negro Unificado, do Grupo de Mulheres, Partidos Políticos e demais Pastorais, se manifestaram em busca de uma maior participação na vida política e social da Baixada Fluminense. A Pastoral Afro tinha por objetivo colaborar na construção de uma sociedade mais justa e solidária, criando iniciativas contra o racismo e em defesa dos valores afros-descendentes.

Resta-me, portanto,  dizer que a luta dos negros por condições dignas de existência deve continuar no Brasil por muitos e muitos anos e essa data deve servir também como símbolo para que reflitamos sobre a questão em defesa de todos os brasileiros que lutam por uma sociedade de fato democrática e igualitária

Prêmio Educação Empreendedora

O jornal Valor Econômico noticia mais um bom projeto de ensino para o empreendedorismo.

Preocupo-me com o mercado de trabalho para os jovens desde meus tempos de professor nas salas de aula de Nova Iguaçu e Nilópolis.

Por isso, fico atento aos exemplos de projetos que incentivem a criação de empregos e de oportunidades de ocupação e renda. E, o empreendedorismo é uma dessas ações importantes.

Sobre o tema, a edição do final de semana do jornal Valor Econômico trouxe, num caderno especial, notícias do Prêmio Educação Empreendedora Brasil 2010, uma iniciativa da Endeavor, uma organização internacional sem fins lucrativos, que promove o a capacidade de empreender de jovens no Brasil e em outros 10 países do mundo, e do SEBRAE.

Um professor do Instituto Federal do Piauí, que atua no Campus de Picos, Marcus Linhares, foi o vencedor. Ele desenvolveu o projeto “Gerenciando Idéias”, que capacita alunos dos diversos cursos da Universidade, para atuarem como empresários em quatro segmentos de mercado: vestuário, alimentação, decoração e reciclagem.

O projeto prevê aulas para criação de planos de negócios e subsídios para exposição de produtos e estratégias de vendas.

O Prêmio Educação Empreendedora Brasil premia professores com função docente em qualquer curso de graduação ou pós-graduação de Instituições de Ensino Superior localizadas em território brasileiro. Os participantes são avaliados por suas experiências de ensino de empreendedorismo aplicadas em estudantes universitários.

É mais um gol em favor das oportunidades de ocupação, renda e trabalho para os jovens.

O deputado Simão Sessim visitou Santa Cruz

Na vida do deputado Simão Sessim a campanha se confunde com o mandato.

Para o deputado Simão Sessim o exercício do mandato de deputado federal se confunde com a campanha e a campanha com o mandato.

Não importa o dia do ano, ele está sempre nas ruas, a ouvir as pessoas, a atender os convites que recebe e a participar de reuniões com os grupos políticos e comunitários que o apóiam e, com certeza, é esta atitude de estar sempre presente na vida do eleitor, o fato que garantiu para o deputado Simão Sessim o nono mandato consecutivo na Câmara dos Deputados.

Outro dia ele esteve em Santa Cruz para as comemorações do aniversário do Augusto Pereira, um líder comunitário que é muito querido na região e que foi um dos coordenadores da campanha na região.

“É a minha primeira experiência com o deputado Simão Sessim e estou muito feliz com a presença dele aqui. Eu, sinceramente, não esperava, porque estou acostumado a fazer campanhas eleitorais e só voltar a ver os políticos para os quais trabalhei perto das novas eleições. Cheguei a não acreditar, quando o meu amigo Isaías Poyares, pessoa que fez a minha aproximação com o deputado, me ligou e me disse que ele gostaria de estar presente. É de políticos com esta qualidade que a gente precisa por aqui”, declarou Augusto Pereira.

Na festa, o deputado Simão Sessim conversou com os presentes e, a cada um, agradeceu o apoio e os votos que recebeu na região. Disse estar empenhadíssimo em estreitar mais a sua relação com Santa Cruz transformar esta ligação em obras e realizações para o local.

Obrigado!

Meus agradecimentos àqueles que, novamente, demonstraram confiar no trabalho que eu realizo em Brasília.

De modo generoso, os meus eleitores confirmaram a confiança que têm no meu trabalho de 32 anos no Congresso Nacional. Sou-lhes extremamente agradecido e reafirmo aqui a minha disposição de permanecer fiel aos propósitos de defender os direitos dos aposentados e pensionistas, o acesso mais amplo às Escolas Técnicas de formação profissional, para assegurar aos jovens maiores oportunidades de trabalho e renda digna.

Confirmo também o meu compromisso de continuar a defender os interesses do Estado do Rio de Janeiro e, de modo muito especial, daqueles municípios que, pelo voto, me conferiram a função nobre de representá-los.

Agora é, descansar um pouco, arregaçar as mangas novamente e trabalhar para corresponder a mais esta demonstração de confiança dada pelos eleitores.

Provérbios 22. “Vale mais ter um bom nome…”

Amanhã será o dia da decisão. Estou com a certeza de que combati o bom combate e guardei a fé.

Bem, é chegado o dia da eleição, depois de uma caminhada longa de quase seis meses em campanha.

Já fiz muitas campanhas eleitorais e nelas vejo momentos mágicos que criam laços definitivos entre as pessoas.

Nas campanhas, eu não saio muito do meu estilo de vida, só aumento o ritmo de trabalho, porque entendo que a política é o trabalho constante, permanente, de manter uma linha direta com a população, para conhecer as suas expectativas e cumprir os seus desejos. Esta é a essência de um mandato.

Durante a campanha, estive em muitas cidades do interior. Em algumas, diversas vezes. Estive em Itaperuna, em Porciúncula, em Natividade, em Nova Friburgo, em Teresópolis, em Petrópolis, em Cabo Frio, em Seropédica, em Itaguaí, em Mangaratiba, em Itaboraí, em Mendes, em Paracambi, em Paulo de Frontin, em Mesquita, em Nova Iguaçu, em Caxias, em Meriti.

Também visitei inúmeras vezes, diversos pontos da Cidade do Rio de Janeiro, em especial, em Santa Cruz, em Copacabana, na Tijuca, no Flamengo, na Barra da Tijuca, em Campo Grande, em Sepetiba, Anchieta, Deodoro, enfim, em todos os bairros da Cidade.

Caminhei de novo e por várias vezes, todas as ruas da minha cidade, a minha querida Nilópolis.

Em cada lugar por onde passei, deixei amigos e confirmei a certeza do que está colocado no primeiro versículo do Capítulo 22 do livro de Provérbios: “Vale mais ter um bom nome do que muitas riquezas; e o ser estimado é melhor do que a riqueza e o ouro”.

Por isso, estou feliz.

Amanhã, teremos o resultado da eleição. No entanto, uma vitória já conquistei: consegui conduzir a minha campanha com absoluta lisura, confiança na verdade e fé no Senhor Jesus.