Tag archive: saúde

Foto: Carlos Magno

Hospital de Traumatologia e Ortopedia da Baixada reabre Centro de tratamento à Queimados

O deputado federal Simão Sessim (PP-RJ), usou a tribuna da Câmara dos Deputados, essa semana, para agradecer a homenagem que o Governo do Estado do Rio de Janeiro prestou na sexta-feira passada ao seu pai, inaugurando no Hospital de Traumatologia e Ortopedia da Baixada Fluminense, em Nilópolis, o Centro de Tratamento a Queimados Sessim David.

O governador Luiz Fernando Pezão e o Secretário Estadual de Saúde, Luiz Antônio Teixeira Junior, encheram ainda mais de orgulho e felicidade o meu já frágil coração. Minha família se sente, da mesma forma, honrada por ver sendo mantida viva a história e a importância que o velho Sessim David representou para a cidade de Nilópolis”, disse Simão Sessim.

Continue reading

Ministério da saúde anuncia a conclusão do hospital Juscelino Kubistchek de Nilópolis

O anúncio foi feito pelo ministro da saúde, Ricardo Barros, durante visita à cidade de Nilópolis. O investimento vai ser de R 15 milhões numa ampla reforma no Hospital Juscelino Kubistchek.

O Ministro Barros chega finalmente em socorro do povo de Nilópolis, que ficou desguarnecido em relação ao atendimento médico-ambulatorial de urgência e emergência, desde que o prefeito anterior, sob alegação de construir uma nova unidade, inclusive mais moderna, segundo alegava, fechou e implodiu, de forma irresponsável, entre 2013 e 2014, o único hospital municipal da cidade”, disse o deputado federal Simão Sessim.

Continue reading

Ministro da Saúde vai a Nilópolis

Alessandro Calazans, quando prefeito de Nilópolis, demoliu o Hospital JK, uma instituição tradicional da cidade, construído pelo esforço de nossa família com a ajuda da sociedade nilopolitana. Nas campanhas para prefeito, Alessandro Calazans, bateu muita na gente e prometeu, se eleito, dar ao hospital uma estrutura moderna. Mentiu sobre o funcionamento do hospital para poder demolir o prédio.

Continue reading

ANS define modelos para cuidados em oncologia, odontologia e atenção ao idoso

O Brasil tem mais de 20 milhões de pessoas com idade acima de 60 anos e 90% delas sofrem algum tipo de doença crônica, como hipertensão arterial, câncer e diabetes. Esses números foram apresentados pelo deputado federal Simão Sessim (PP-RJ) no plenário da Câmara dos Deputados para destacar o trabalho da Agência Nacional de Saúde – ANS e especialistas que definiram novos modelos para cuidados em oncologia, odontologia e atenção ao idoso.

Á medida que a idade avança, o risco de agravamento das doenças e surgimento de novas, aumenta. Portanto, a iniciativa da ANS é, sem dúvida, revolucionária”, disse Simão Sessim.

O projeto “Idoso bem Cuidado” da ANS, tem como compromisso e metas a melhoria da qualidade e da coordenação do atendimento prestado desde a porta de entrada no sistema e ao longo de todo o processo de cuidado.

thumb-ans-define-modelos-para-cuidados-em-oncologia-odontologia-e-atencao-ao-idoso-001

Ele evita redundâncias de exames e prescrições, interrupções na trajetória do usuário e as complicações e efeitos adversos gerados pela desarticulação das intervenções em saúde.

Uma das propostas é o estímulo aos planos de saúde para que criem centros geriátricos. Eles terão médicos e profissionais da área de saúde com experiência no lidar com os riscos que agravam a saúde dos idosos. Uma providência essencial e preventiva.

O modelo proposto será testado a partir do segundo semestre. O teste é o cuidado que tem a ANS na aplicação das medidas, para avaliar cada passo e ampliar a chance de sucesso.

Mensagem de ano novo

O deputado Simão Sessim fala sobre o resultados dos exames no tratamento de um câncer e cumprimenta a chegada do ano novo.

(Foi filmado no dia 30/12/2015)

Pílula do Câncer é tema de Comissão Geral na Câmara dos Deputados

thumb-pilula-do-cancer-e-tema-de-comissao-geral-na-camara-dos-deputados

Da esquerda para a direita: Antônio Navarro, Diretor Superintendente do Hospital Amaral Carvalho; Éderson Mattos, Coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Amaral Carvalho; Leandre, deputada federal; Arthur Maia, deputado federal; Angélica Rodrigues, Coordenadora dos Departamentos de Prevenção e Pesquisa em Oncologia e Membro do Conselho Consultivo da Associação de Combate ao Câncer do Centro-Oeste de Minas Gerais – ACCCOM; e Simão Sessim, deputado federal.

A Câmara dos Deputados substituiu a Sessão Plenária manhã de terça-feira por uma Comissão Geral, que é convocada para as situações e temas de importância maior para a sociedade. O tema foi o uso ou não da pílula do câncer, substância fosfoetanolamina sintética.

Presente, o deputado Simão Sessim fez um emocionado pronunciamento. Vamos às partes mais importantes dele. Na íntegra ele está publicado no site da Câmara dos Deputados.

Com que prazer, Sr. Presidente, com que alegria e — por que não dizer? — com que emoção participo desta sessão! Uma das melhores nesses 37 anos em que estou na Casa, no exercício do meu décimo mandato.

A “pílula do câncer” é fruto de uma pesquisa  da Universidade de São Paulo, em São Carlos, cuja substância denomina-se fosfoetanolamina sintética, fato que coloca o Brasil na dianteira do mundo desenvolvido. A substância, em pouco tempo, oferecerá cura para uma doença que dizima de 200 a 300 mil brasileiros por ano.

E eu me coloco aqui com prazer, com alegria e com emoção, queridos amigos, colegas, visitantes. Eu falo por necessidade e por causa própria. Eu estou com um câncer de próstata. Recebi essa notícia, há 4 meses, no consultório do Dr. Miguel Srougi, talvez um dos mais importantes urologistas do mundo. Depois de uma cirurgia na uretra, ele me disse: Tenho uma notícia em relação à qual você tem que tomar providências urgentes. Estou vendo um câncer. Pude ver células cancerígenas através da uretra.

Fotos: Alex Ferreira - Acervo Câmara dos Deputados

Fotos: Alex Ferreira – Acervo Câmara dos Deputados

E ele me disse: Não vamos perder tempo. Ele fazia em mim o toque retal, o exame de PSA e não descobria nada. E só quando examinando o local é que ele pôde descobrir a doença. E aí ele me disse que havia várias opções de tratamento, uma delas a cirurgia, que seria muito radical, muito violenta para a minha idade. Eu faço 80 anos agora em dezembro.

Ele não recomendava a cirurgia, mas recomendava a radioterapia, à qual eu me submeti. Fiz 39 sessões de radioterapia. Agora, no próximo dia 10, já são passados 2 meses, e eu poderei fazer o exame de sangue que vai dizer se o tratamento eliminou ou não o câncer na minha próstata. E eu acredito que sim, porque a estatística diz que 90% a 95% dos pacientes tratados com radioterapia conseguem o sucesso.

Mas bem que passou pela minha mente a pílula. Quando li, eu perguntei, mas me disseram: Não. Nós vamos fazer primeiro a radioterapia. E eu me lembro desse tratamento, que ocorreu agora, há quase 2 meses. Eu me lembro daquela gente esperançosa que passava comigo por ali. Alguns tinham câncer de garganta, outros de laringe, outros de pescoço, de cabeça. Era tanta gente que eu pensava: Meu Deus, não aparece um remédio para curar essas pessoas?

Eu já tive outro câncer, que ocorreu no rim e está eliminado. Mas, para esse câncer na próstata, eu ainda tenho que pedir a Deus um sopro de vida para que eu possa ver não só esta Casa, o Governo, os nossos cientistas, os cientistas do mundo abrindo o jornal e vendo que o remédio foi descoberto. Deus me dê esse sopro de vida! Eu quero ver que a pílula do câncer, o remédio do câncer está descoberto. Aí, eu posso morrer tranquilo, porque sei que nós teremos uma trincheira importante para debelar essa doença, que é muito difícil. Tem sido muito difícil suportá-la.

Sei o que foi esse tratamento. Passei por momentos de fadiga, de diarreia, de tudo, mas enfrentei as 39 sessões. Encerrando, quero dizer que este testemunho é de quem, como tantos cancerosos neste País e no mundo, apela para que Comissões Gerais como esta, reuniões da Comissão de Seguridade Social e debates no Congresso e em todos os lugares possam incentivar os nossos cientistas, para que não parem, para que continuem descobrindo porque, sem dúvida alguma, ao final, descobrirão o grande desejo nosso, que é o remédio contra o câncer.
Obrigado, Sr. Presidente.

Assim que encerrou o discurso, o deputado Simão Sessim recebeu os cumprimentos dos colegas e uma palavra do deputado Arthur Oliveira Maia que presidia a sessão: “Deputado Simão Sessim, a Casa agradece o seu depoimento verdadeiro, emocionado. Sem dúvida, todos aqueles que estão nos ouvindo através do sinal da TV Câmara e que têm problema semelhante ao de V.Exa. se sentem confortados pelo seu exemplo de fé, de esperança e, sobretudo, de coragem”.

Simão Sessim critica o péssimo atendimento hospitalar no Rio Janeiro

O deputado federal Simão Sessim (PP-RJ), chamou a atenção do governo para rever a rotina de atendimento médico nos hospitais, postos e unidades de saúde, que segundo ele, está fazendo com que os pacientes “penem” atrás de atendimento, “muitos morrem sem conseguir uma consulta médica, disse o deputado”.

De acordo com reportagem do Jornal Extra, no período de janeiro a outubro deste ano, 19 mil e 600 pessoas tiveram que bater às portas do judiciário para conseguir o atendimento médico. “É lamentável, porque quando o governo criou as Unidades de Pronto Atendimento, o objetivo era tornar mais ágil e melhor o atendimento médico. No entanto, a situação ficou pior”, afirmou.

Simão Sessim declarou que o atendimento médico com qualidade é um desafio, que parece impossível alcançar. O deputado demonstrou muita preocupação com essa situação e disse que o problema deve se agravar por causa da falta de saneamento básico, da violência, da desnutrição, das tensões pela falta de emprego e por outras tantas situações que criam doenças e lotam os hospitais.

Diante da ineficiência dos órgãos de governo, os problemas vão sendo transferidos de um segmento para outro. Agora, da saúde para o Poder Judiciário. A solução está na revisão das rotinas dos governos e na necessidade de uma lei de responsabilidade social, que puna quem, nos governos, não cumpra o papel que lhe é designado”, desabafou o parlamentar

Simão Sessim ressalta trabalho do neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho

O trabalho do responsável pelo comando do Instituto Estadual do Cérebro, o neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho, foi o destaque do pronunciamento do deputado Simão Sessim (PP-RJ), nesta terça-feira (10). “Muitas vezes não valorizamos as pessoas que nos rodeiam e que merecem atenção, respeito, orgulho e reconhecimento por tudo que representam e proporcionam ou proporcionaram em nossas vidas”.

O Instituto Estadual do Cérebro do Rio de Janeiro foi criado há dois anos, para o tratamento neurocirúrgico de doenças do sistema nervoso central, como: AVC, aneurismas, epilepsia, tumores, enfermidades vasculares e Parkinson.

Simão Sessim lembrou que o Instituto foi idealizado e inaugurado no governo Sérgio Cabral e se transformou em grande esperança para muitas pessoas. “É um hospital dos sonhos de todos nós, por ser também a grande esperança de atendimento, com dignidade, sobretudo de pacientes do SUS, seu maior beneficiário, por estar dotada da melhor estrutura existente hoje no mundo”, disse.

O deputado relatou que no Instituto Estadual do Cérebro, se concentra um grupo de neurocirurgiões com equipamentos dos mais sofisticados para fazer cirurgias eletivas de alta complexidade na área neurológica, preenchendo uma importante lacuna há muito reivindicada na rede pública de saúde.

thumb-simao-sessim-ressalta-trabalho-do-neurocirurgiao-paulo-niemeyer-filhoQualquer cidadão que tiver diagnóstico com inclinação neurocirúrgico pode ser encaminhado para o Instituto Estadual do Cérebro, independente do estado ou de sua cidadania. E vai encontrar, ali, Centros Cirúrgicos de última geração, salas inteligentes, totalmente informatizadas, e uma equipe de profissionais produzindo trabalhos científicos que a torna referência no estado e no País”, destacou o parlamentar.

O Instituto dispõe de quatro Centros Cirúrgicos, nove consultórios, 40 leitos de UTI adulta e quatro de UTI pediátrica, dois para pacientes com epilepsia, além de um quadro de 191 médicos, todos orientados e dirigidos pelo neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho.

O Instituto realizou até o mês de agosto 2.388 cirurgias e 20.173 atendimentos ambulatoriais, além de 42.458 exames de ressonância magnética, tomografias computadorizadas, hemodinâmica, de raio X, ecocardiograma e eletroencefalograma.

“Somente pessoas generosas imbuídas do propósito de servir ao próximo, dotada do espírito público e solidárias com seu semelhante, a exemplo do médico Paulo Niemeyer Filho, são capazes de realizar obras maravilhosas voltadas para atender e amenizar o sofrimento de quem padece, muitas vezes por falta de uma mão benevolente”, finalizou Simão Sessim.

Simão Sessim parabeniza governo do Rio de Janeiro no combate à dengue

O bom desempenho da Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro no combate a dengue foi alvo elogios no plenário da Câmara dos Deputados nesta semana. O deputado Simão Sessim (PP-RJ), destacou que 82% dos municípios do estado do Rio de Janeiro estão em condições satisfatória na luta contra a dengue e nenhum em situação de risco. O resultado faz parte de um balanço da Secretaria de Saúde com o Levantamento do Índice Rápido do aedes aegypti. Segundo a secretaria, nos últimos três anos o Rio reagiu contra a doença.

Simão Sessim apresentou alguns números do levantamento e comemorou os resultados.

Segundo dados da Subsecretaria Estadual de Vigilância em Saúde, entre 2011 e 2014, o número de municípios em estágio de alerta de infestação caiu cerca de 20%. E, graças a essa situação, atualmente, Graças a Deus, nenhuma cidade fluminense encontra-se em situação de risco”, disse.

Continue reading

Instituições são reconhecidas pela assistência à saúde da mulher

A Câmara dos Deputados entregou nesta quarta-feira (28) o “Prêmio Dr. Pinotti – Hospital Amigo da Mulher“. Na edição de 2014, foram agraciadas a Associação Central das Parteiras do Município de Macapá (AP), o Hospital da Mulher e Criança de Maracanaú (CE), o Hospital São Pio X de Ceres (GO), o Hospital Pérola Byington – Centro de Referência da Saúde da Mulher de São Paulo (SP) e a Associação Brasileira de Portadores de Câncer de Florianópolis (SC).

O deputado Simão Sessim (PP-RJ), na qualidade de segundo-secretário da Câmara homenageou as instituições vencedoras. “Estou certo de que o Prêmio Dr. Pinotti 2014 irá servir de estímulo a organizações governamentais e não governamentais que, a par das instituições hoje condecoradas, trabalham em projetos de promoção da saúde da mulher”, disse.

O prêmio Dr. Pinotti é uma homenagem que a Câmara presta anualmente, no mês de maio, a até cinco entidades com ações de destaque na promoção do acesso e na qualificação dos serviços de saúde da mulher. A seleção dos premiados é feita por um conselho, formado por um representante de cada partido político com assento na Câmara.

Simão Sessim fez questão de destacar a importância dos trabalhados desenvolvidos pelo ex-deputado Dr. Pinotti que dá nome a premiação. “Essa marca na saúde da mulher está bem vincada no nome que foi atribuído ao prêmio, e com o qual se presta homenagem a uma personalidade brasileira cujo perfil humanitário e cívico se confunde quer com a saúde brasileira, quer com a própria política social e sanitária nacional: Dr. José Aristodemo Pinotti”.

O segundo-secretário da Câmara dos Deputados lembrou que Dr. Pinotti morreu há cinco anos, quando havia ainda muito a esperar da sua inteligência e do seu dinamismo.

Como médico ginecologista e Deputado do Parlamento Brasileiro, Dr. Pinotti foi incansável na promoção e defesa da saúde da mulher. Foi um dos maiores brasileiros do nosso tempo, exemplo de homem público, cidadão, pai de família e profissional que exercia a medicina como sacerdócio, de maneira humana e sábia”, disse Sessim.

Simão Sessim aproveitou a entrega do “Prêmio Dr. Pinotti” para apresentar alguns dados que constam do novo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado no início do mês, o Brasil registrou uma queda de 43% na proporção de mortes de mulheres vítimas de complicações durante a gravidez ou o parto, entre 1990 e 2013, em linha com a redução da mortalidade materna no mundo. “Excelente notícia”, avaliou Sessim.