Tag archive: Beija-Flor

Simão Sessim antecipa as novidades que Beija-Flor apresentará no Carnaval de 2018

Simão Sessim antecipa as novidades que Beija-Flor apresentará no Carnaval de 2018

O deputado federal Simão Sessim (PP-RJ), usou a tribuna da Câmara dos Deputados, essa semana, para falar do Carnaval de 2018 e antecipar detalhes do desfile da Escola de Samba Beija-Flor. Segundo o deputado o mundo inteiro estará com suas atenções voltadas para o grandioso desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro, para o maior espetáculo de brilho e beleza do planeta Terra.

A minha querida Beija-Flor de Nilópolis, como sempre, ágil e irrequieta em suas lindas e variadas cores – tal como a beleza de um pássaro, promete mais uma vez encantar a todos nós, desfilando na passarela do samba para denunciar, em versos e prosas, as mazelas sociais, econômicas e políticas que afligem o povo brasileiro”, disse Simão Sessim.

Continue reading

Simão Sessim cobra explicações da LIESA sobre notas dadas à Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis.

A indignação com as notas dadas a Beija-Flor, no carnaval deste ano, no Rio de Janeiro, chegou ao plenário da Câmara dos Deputados. O deputado federal Simão Sessim (PP-RJ), segundo-secretário da mesa diretora, usou a tribuna para registrar a demora da Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (LIESA), para divulgar as justificativas das notas dos jurados a Beija-Flor.

O deputado teve que se conter para interpretar o que aconteceu na passarela da Marquês de Sapucaí. “Alguns jurados agiram com maldade”. “Não sabemos, até agora, por que a LIESA ainda não divulgou no portal da instituição as justificativas das notas concedidas pelos jurados, se é que elas existem. Por que tanta demora? Afinal, estamos aflitos, querendo entender o que, de fato, afetou a ‘razão’ dos jurados. Até porque, somente através dela, da ‘razão’, é que podemos distinguir o verdadeiro do falso, o bem do mal; elaborar o raciocínio, pensamento e formar opinião para julgar com isenção, “, disse o segundo-secretário.

Sessim afirmou que a Beija-Flor é a maior campeão da era do sambódromo e conhecida pelos desfiles deslumbrantes, por isso, a sétima colocação no carnaval deste ano, segundo o deputado, é inexplicável e injusta.

”Eu gostaria de saber, o que faziam, exatamente no momento do desfile da Beija-Flor, os senhores jurados, Paulo Paradela, Lúcia Simas e Clívia Cohen, responsáveis pelas injustificáveis notas 9.8 dadas para as fantasias da escola de samba de Nilópolis. Estariam sonolentos os senhores jurados Emil Ferreira, Helenise Guimarães e Walber Ângelo de Freitas, enxergando pouco ou quase nada, para tascar três notas 9.8 para as alegorias da Beija-Flor?

O parlamentar ainda acrescentou: “A senhora Maria Amélia Martins parece que só não deu uma nota menor do que 9.5 para o samba-enredo da Beija-Flor por respeito ao regulamento dos desfiles. Aliás, nota igual também dada por sua colega Fabiana Valor, ao quesito Comissão de Frente. No entanto, Senhora Helenise sapecou nota 10 para uma escola de samba que deixou envergonhada a sua própria comunidade, ao desfilar com componentes sem partes da fantasia e com carros alegóricos mal-acabados”.

Simão Sessim relatou aos deputados que o próprio presidente da Liga da Escolas de Samba, Jorge Castanheira estranhou os critérios usados por parte dos jurados para avaliar algumas escolas e admitiu que a Liga pode reavaliar alguns jugados ou promover uma reciclagem.

“Parece, e ninguém me tira isto da cabeça, que tamanha maldade contra a Beija-Flor fora alguma coisa bem arquitetada ideologicamente falando, por quem nutre algum tipo de ódio ou coisa parecida contra a escola de samba da minha querida Nilópolis, na Baixada Fluminense. Até porque, nunca, jamais, em tempo algum, uma escola coirmã sofreu tamanha crueldade”, concluiu o deputado.

Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis na Marquês de Sapucaí.

Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis na Marquês de Sapucaí.

Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis na Marquês de Sapucaí.

Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis na Marquês de Sapucaí.

Ary Rodrigues. Nota de falecimento.

Amigos, amigas, meus queridos de Nilópolis, minha gente querida de Nilópolis, estou na ONU, em Nova York numa missão especial da Câmara dos Deputados e aqui recebi a triste notícia do falecimento do meu amigo Ary, fundador da Beija-Flor e atual Presidente da Liga Nilopolitana de Desportos.

Assim que recebi a triste notícia, fiz uma oração, para pedir que Deus conforte a dor da família. No meu retorno, registrarei nos Anais da Câmara dos Deputados uma justa homenagem ao Ary.

Discurso do dia 15/03/11

O SR. SIMÃO SESSIM (PP-RJ. Pronuncia o seguinte discurso.) Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, eu não poderia deixar de vir a esta tribuna para manifestar do fundo do meu coração a imensa felicidade que ainda me contagia por conta de mais uma esplendorosa e incontestável vitória da minha querida e amada escola de samba Beija-flor, este ano, na passarela da Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro.

Mais uma vez, venceram a determinação e a garra de uma escola de samba que se aliou à simplicidade do Rei da Música Popular Brasileiro, o cantor Roberto Carlos, para levar emoções à passarela.

Eu havia dito desta mesma tribuna, senhor presidente, uma semana antes do Carnaval, que havia chegado a hora de o povo botar para fora a felicidade, que não seria pouca, com certeza. E, foi de fato o que aconteceu na avenida. A Beija-Flor presenteou a Marquês de Sapucaí com o quesito exclusivo: a emoção de um Rei descontraído e perto do povo.

Aliás, senhor presidente e nobres deputados, como bem frisou o jornal O Globo, deste domingo, a Beija-Flor se transformou em uma fábrica de títulos. A vitória com diferença de 1,4 pontos sobre a Unidos da Tijuca, a vice-campeã do Carnaval, ajudou a consolidar uma hegemonia, diz a reportagem.

É verdade. Desde que fora alçada à elite do Carnaval carioca, em 1976, com o enredo antológico Sonhar com rei dá leão, a agremiação de Nilópolis conquistou 12 campeonatos e já é a terceira escola com maior número de títulos, só perdendo para a Portela e Mangueira, obviamente, por se tratarem de agremiações bem mais antigas nas passarelas do Rio de Janeiro.

São 11 vice-campeonatos, levando-se ainda em consideração o fato de que nos últimos 35 anos, a Beija-Flor esteve 29 vezes entre as três primeiras colocadas nos desfiles do Rio de Janeiro. Isto é magnífico.

Na mesma reportagem de O Globo, o jornal lembra o que já estamos cansados de frisar nesta mesma tribuna: que a Beija-Flor é uma escola que se fortaleceu investindo, e muito, em sua própria comunidade, que canta e dança harmonicamente, e que vibra, ganhando, por consequência, respeito do corpo de jurados e da opinião pública mundial.

E, por uma questão de justiça, não podemos deixar de destacar o grande comandante dessa e de todas as conquistas da campeoníssima Beija-Flor, o patrono da escola, Aniz Abraão David, que, como bem disse o Laíla, torna-se peça fundamental para a agremiação, por sua luta, pelo tratamento, pela dignidade com que conduz as coisas da escola. Ele orienta, se empenha, ao máximo; vibra e vence.

Por fim, estendo ainda a minha alegria e felicitações, à direção da escola, através de seu presidente Farid Abraão David: à Comissão de Carnaval nas pessoas do Laíla, Alexandre Louzada, Fran-Sérgio, Victor Santos e Ubiratan Silva; ao intérprete, Neguinho da Beija-Flor; aos mestres de bateria, Plínio e Rodney; à Raínha da Bateria, Raíssa Oliveira; ao mestre-sala, Claudinho, e à porta-bandeira, Selmynha Sorriso; ao estreante, na Comissão, Carlinhos de Jesus; aos componentes e a todos que aqueles que acreditaram mais uma vez no projeto da Beija-Flor, que se transformou em uma verdadeira escola de vida, amparando os menos favorecidos e preparando os jovens da comunidade para um futuro promissor.

Era o que eu tinha a dizer no momento, senhor presidente.

Beija-Flor de Nilópolis

DEPUTADO SIMÃO SESSIM – PP/RJ

D02032011

O SR. SIMÃO SESSIM (PP-RJ. Pronuncia o seguinte discurso.) – Senhor presidente, senhoras e senhores deputados, mais uma vez o povo brasileiro se prepara para festejar o Carnaval, que este ano acontece agora no mês de março.

Consequentemente, passamos a viver nos dias que antecedem ao maior espetáculo da Terra, sem dúvida alguma, os desfiles das escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro, a grande expectativa de ver essa manifestação popular mexendo, e forte, a exemplo do que sempre faz, com a nossa sensibilidade e as nossas grandes emoções.

Todos os anos é sempre assim: vamos para a Marquês de Sapucaí nos encantamos com o vôo esplendoroso, ágil e sempre irrequieto, nas asas da nossa querida e amada Beija-Flor.

Como diz o samba enredo dos compositores Samir Trindade, Serginho Aguiar, JR Beija Flor, Sidney de Pilares, Jorginho Moreira e Théo M. Neto chegou a hora de botar para fora a felicidade, que não será pouca, com certeza.

E haja felicidade, senhor presidente. Até porque, a passarela do Sambódromo vai ficar pequena para a passagem de tantas estrelas. E este ano, a nossa Beija-Flor desfila como gosta – solta, descontraída, em busca da conquista de seu 12º título dos desfiles das grandes escolas do Carnaval do Rio de Janeiro, aprestando uma justa e merecida homenagem ao “rei” Roberto Carlos, “na plenitude de sua simplicidade”.

É verdade, senhor presidente o “rei” Roberto Carlos merece bem mais que uma simples homenagem, ele merece ser feliz por tudo de bom que já nos proporcionou ao longo de seus 50 anos de vida artística, distribuindo emoções e mostrando com muito amor os detalhes da vida de milhões de brasileiros.

Por isso mesmo, a azul e branco de Nilópolis, da Baixada Fluminense, tem tudo para justificar na passarela o porquê de sua grandeza e exuberância, que tanto nos encanta ao longo da tantas décadas.

Não resta dúvida, que o glamour desta memorável agremiação vai ecoar mais uma vez do grito de uma nação azul e branca, que aposta no desempenho, na garra e na disposição de seus componentes, que certamente, mais uma vez deixarão a passarela consagrada pelo povo.

Mas a Beija-Flor não é só festa, senhor presidente e nobres deputados. Ela é também a esperança de um mundo melhor, traduzida nas ações sociais que promove durante o ano inteiro, não só para seus componentes, mas para toda a comunidade no seu entorno. A família Abraão David, que mantém creche, educandário, centros profissionalizantes, entre tantos outros tipos de benefícios, ajuda centenas de famílias, crianças e adolescentes, a construir um enredo de vida com justiça social.

Aproveito a oportunidade para saudar desta tribuna, as figuras ilustres que serão responsáveis diretos pelo brilhantismo do desfile da Beija-Flor, na pessoa de seu presidente de honra, Aniz Abraão Davi; de seu presidente administrativo, Farid Abrão, e demais membros da diretoria da escola.

Não podemos esquecer de homenagear também o talento dos profissionais que todos os anos nos proporcionam tantas alegrias, como o nosso querido coordenador de Carnaval, Laíla, os carnavalescos Alexandre Louzada, Fran-Sérgio, Victor Santos e Ubiratan Silva.

Estendemos ainda os cumprimentos a Neguinho da Beija-Flor, ao mestre-sala Claudinho e à porta-bandeira Selmynha Sorriso; aos mestre de bateria Plínio e Rodney, os funcionários do barracão, ao chefes de ala, aos destaques e demais componentes, todos bastante engajados no propósito de conquistar mais uma vitória para a cidade de Nilópolis, para o povo da Baixada Fluminense.

Por fim, senhor presidente e nobres deputados, resta-nos dizer, que é nessa estrada de santos guerreiros, com as bênçãos de todas as Nossas Senhoras, que a nossa querida Beija-Flor vai mostrar ao ritmo alucinante das batidas dos nossos corações, como é grande o seu amor pela vida de todos nós.

Muito obrigado, e até a vitória!

O Rock In Rio, Nilópolis e a minha Beija-Flor.

Não há como falar do Rock In Rio, sem lembrar Abraham Medina.

Rubem Medina e Abraham Medina.

Recebi com alegria a boa notícia do retorno do Rock in Rio, que andou a fazer sucesso pela Europa, nas cidades de Lisboa e Madrid.

Mas, alguém que tenha a minha idade e o meu tempo de relacionamento com a cidade do Rio de Janeiro, não pode comentar o sucesso do Rock In Rio sem lembrar uma das mais brilhantes personalidades, que a cidade conheceu: o DNA do criador do Rock In Rio, o empresário, Abraham Medina. As suas realizações comprovaram que ele somava, no coração, a paixão pelo trabalho e o amor pelo Rio de Janeiro.

Abraham Medina nunca mediu esforços em favor do Rio de Janeiro. Ele, às próprias expensas, promoveu eventos que marcaram a história do Rio de Janeiro, assim como o Rock In Rio tem marcado.

O Natal, a Páscoa, o Dia das Mães, Nat King Cole, Paul Anka, Sammy Davis Junior, Neil Sedaka, Connie Francis, tudo era motivo para que o Abraham Medina festejasse o Rio de Janeiro. Ele organizou as festas de comemoração do 4º Centenário da Cidade, construiu o Teatro República, fez e patrocinou o primeiro programa de TV ao vivo e em grande escala, o Noite de Gala. Grandes nomes da música brasileira nasceram no programa de Abraham Medina, líder absoluto de audiência.

De personalidade forte, Abraham Medina transferiu para os filhos o amor que tinha pela Cidade do Rio de Janeiro e o Rock In Rio é fruto dessa relação entre pai e filhos.

Compreendo o retorno do Rock In Rio como uma homenagem que a Prefeitura do Rio de Janeiro faz à família Medina e, em especial, ao Abraham. E, para mim é fácil entender o que move o coração do Roberto e do Rubem Medina quando eles promovem o Rock In Rio, porque é o mesmo sentimento que tenho quando vejo a minha Beija-Flor, que representa a minha Nilópolis, entrar na Avenida para ser campeã.