Artigos

Deputado Simão Sessim é contra reabertura de negociações sobre distribuição dos Royalties do petróleo

Deputado Simão Sessim é contra reabertura de negociações sobre distribuição dos Royalties do petróleo

Dia 14/03 – Quinta-feira

O segundo-secretário da Câmara Federal, deputado Simão Sessim (PP-RJ), participou na quinta-feira (14), do programa Brasil em Debate da TV Câmara. Na ocasião, o parlamentar afirmou que a nova Lei dos Royalties é uma violação ao direito adquirido e à segurança jurídica dos estados produtores. A questão vai ser decidida agora pelo Supremo Tribunal Federal.

O deputado Simão Sessim é radicalmente contra a reabertura das negociações sobre a distribuição dos royalties do petróleo, como defende vários governadores, entre eles o de Pernambuco. “A nova lei foi um golpe cruel e imoral, uma lei insana e injurídica que não se sustenta na Constituição Federal”, destacou o progressista. Para o deputado, a lei aprovada pelo Congresso Nacional prejudica os estados produtores como Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Deputado Simão Sessim é contra reabertura de negociações sobre distribuição dos Royalties do petróleo

Deputado Simão Sessim é contra reabertura de negociações sobre distribuição dos Royalties do petróleo

Deputado Simão Sessim é contra reabertura de negociações sobre distribuição dos Royalties do petróleo

Deputado Simão Sessim é contra reabertura de negociações sobre distribuição dos Royalties do petróleo

ANEEL E AMPLA terão que explicar na Câmara qualidade na distribuição de energia de municípios fluminenses.

ANEEL E AMPLA terão que explicar na Câmara qualidade na distribuição de energia de municípios fluminenses

Dia 13/03 – Quarta-feira

A Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (13), aprovou o requerimento que convida o presidente da AMPLA e o diretor-geral da ANEEL para prestar esclarecimentos sobre a manutenção das redes de energia que atendem aos municípios de Angra dos Reis, Paraty e Mangaratiba no Estado do Rio de Janeiro.

Por solicitação do segundo-secretário da Câmara, deputado federal Simão Sessim (PP-RJ), os municípios de Niterói, São Gonçalo, Região Serrana e Região dos Lagos foram incluídos no requerimento. O PROCON do Rio de Janeiro e a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) também serão convidados para os debates.  A data da audiência pública ainda não foi definida.

ANEEL E AMPLA terão que explicar na Câmara qualidade na distribuição de energia de municípios fluminenses.

ANEEL E AMPLA terão que explicar na Câmara qualidade na distribuição de energia de municípios fluminenses.

Deputado Simão Sessim (PP-RJ) preside votação de urgência da política antidrogas

Dia 12/03 – Terça-feira

Durante a sessão plenária da Câmara terça-feira (12), O Deputado Simão Sessim (PP-RJ), presidiu a votação de requerimento de urgência na alteração de política antidrogas.  O projeto prevê um aumento da pena para traficantes de drogas e a internação involuntária de viciados. O projeto está previsto para ser votado até o final deste mês.

Bento XVI, minha homenagem.

Bento XVI, minha homenagem.

Bento XVI, minha homenagem.

Em nome dos meus eleitores, em especial, dos católicos da minha querida Nilópolis e da Baixada Fluminense, quero deixar registrada nos Anais desta Casa do Povo, a nossa expressão de simpatia, homenagens e afeto ao Papa Bento XVI, pelo sagrado e dedicado trabalho que ele realizou em favor da Igreja, do povo do mundo todo e do Evangelho de Jesus Cristo.
Confesso que fiquei um tanto aturdido – surpreso – com a notícia da decisão dele de renunciar ao Pontificado e me perguntei, como de resto, gente de todo o mundo, católicos ou não, deve ter se perguntado:

“o que levou o Papa à decisão de renunciar à tão nobre missão de levar até o fim da própria vida o trabalho de conduzir a Igreja? O que fez com que ele, mesmo consciente da gravidade e da novidade da decisão, insistisse em adotá-la?”

Ontem, Deus respondeu à minha dúvida com as cenas que assisti e com o Sermão que ouvi na despedida do Bento XVI. A mensagem oferecida pelas imagens de uma multidão de fiéis em silêncio a ouvir as palavras do Santo Padre foi clara, claríssima! A renúncia colocou a Amada Igreja Católica e o mundo todo em reflexão profunda tendo Cristo como alvo do pensamento, num momento em que o mundo todo está a precisar Dele.

“Amar a Igreja”, disse o Papa no sermão de despedida, “significa também ter a coragem de tomar decisões difíceis, tendo sempre em vista o bem da Igreja e não de si próprio”.

Eis aí o significado maior do Sacerdócio, que deveria estar presente também nas funções públicas, na vida daqueles que dedicam o seu tempo ao trabalho em favor do povo.

Parei para pensar. No mundo todo, a política está em xeque, porque há algum tempo perdeu o sabor do Sacerdócio, pela ação egoísta daqueles que exercem esta nobre função de servir, não em nome ou por atribuição do povo, mas na linha do interesse próprio.

Com os olhos nas imagens da Praça de São Pedro e os ouvidos ligados nas palavras que de lá vieram, percorri em memória os muitos anos que estou nesta Casa e as muitas experiências que tenho vivido aqui e nas minhas relações com o povo que me trouxe até aqui.

Não pode haver dúvida da presença de Deus na decisão do Santo Padre e na força do significado de suas palavras de alerta e consolo, principalmente, quando ele afirmou:

“Eu me senti como São Pedro e os apóstolos no Mar da Galileia. O Senhor nos deu muitos dias de sol e brisa leve, em que a pesca foi abundante. E momentos de mares turbulentos e ventos contrários, como em toda a História da Igreja, em que o Senhor parecia dormir. Mas, eu sempre soube que naquele barco estava o Senhor e que o barco não era meu, nem de vocês, mas Dele, que não o deixa naufragar. É Ele que o conduz certamente através também dos homens que escolhe, porque os quer. Esta foi e é uma certeza que nada pode ofuscar”.

Muito obrigado.

Simão Sessim está em seu nono mandato como deputado. (Arquivo/ Leonardo Prado)

Simão Sessim foi eleito 2º secretário da Câmara

Simão Sessim está em seu nono mandato como deputado. (Arquivo/ Leonardo Prado)

Simão Sessim está em seu nono mandato como deputado. (Arquivo/ Leonardo Prado)

O segundo secretário da Câmara, Simão Sessim (PP-RJ), foi deputado constituinte e participou do Congresso Revisor (1991-1995).

Advogado e professor, está em seu nono mandato como deputado federal. Simão Sessim foi vice-líder do PP e integrou a Comissão de Minas e Energia e as comissões especiais da Reforma Política e sobre a igualdade de direitos trabalhistas (PEC 478/10).

Nos últimos dois anos, também participou de debates sobre a exploração de petróleo na camada do pré-sal.

Via ‘Agência Câmara Notícias‘.

É tempo de voltar ao trabalho.

Houve o recesso do Congresso Nacional; houve Natal; aconteceu o réveillon e o ano de 2013 está aí. Tentei descansar todo esse tempo, mas não foi possível. Precisei dar e buscar soluções para problemas que me vieram das eleições. Fazer o quê? A vida política exige muito da gente e é uma tarefa que gosto de cumprir.

Mas, seja como for, estou de volta ao dia-dia da Câmara dos Deputados e uma pauta extensa de trabalho me espera na Comissão de Minas e Energia, que eu presidirei até fevereiro. Por lá passam, no momento, temas altamente relevantes para a sociedade brasileira, que vão do fornecimento de energia elétrica à política de abastecimento de combustíveis, passando pela análise dos impactos ambientais causados pelo setor de produção de energia.

O Regimento da Câmara dá aos presidentes das comissões permanentes o mandato de apenas um ano e, por isso, deixarei a Presidência da Comissão e partirei para novos desafios.

Quero centrar o meu mandato em pelo menos três temas importantes. O primeiro, a aplicação correta da Lei de Resíduos Sólidos para buscar uma solução efetiva e definitiva para o depósito do lixo, um os mais graves problemas enfrentados pelos municípios brasileiros.

Esse tema passou por minha vida política algumas vezes. A primeira, quando fui prefeito de Nilópolis. A situação era grave, mais grave que atualmente. Como não tinham onde colocar o lixo, as prefeituras criavam à beira das estradas os lixões.

Pressionei tanto o governador do estado na busca de uma solução que ele, naquele tempo, o Vice-Almirante Faria Lima, me designou, assim que deixei a prefeitura de Nilópolis, coordenador do trabalho conjunto com os prefeitos da Baixada Fluminense para tratar o tema.

Não havia muito, o Governador Faria Lima, criara a FUNDREM, Fundação para o Desenvolvimento Metropolitano. Lá, exerci as minhas funções e participei do grupo de trabalho que criou a COMLURB, no Município do Rio de Janeiro e Aterro de Gramacho.

Gramacho foi desativado há poucos anos. Criado para existir por dez anos, ele sobreviveu 30 e, por isso, criou os problemas que criou. Faltou planejamento, depois da criação como faltou agora, na desativação, motivo, que enlouquece a vida dos prefeitos da Baixada Fluminense. O lixo nas ruas decidiu a eleição em alguns municípios e os prefeitos que venceram já começam a entender que o tema que usaram para derrotar os seus adversários pode ser instrumento também para sua derrota mais adiante.

Bem, quero dedicar este ano na Câmara dos Deputados ao trabalho de encontrar soluções para este tema.

Outro assunto na minha pauta é a autonomia municipal. Eu compus a Assembleia Nacional Constituinte, quando o tema esteve presente e, de certa forma, foi resolvido. Aumentamos muito o acesso dos municípios aos recursos fiscais. Acontece que com o tempo, a centralização voltou a acontecer e hoje as cidades e seus prefeitos não conseguem sobreviver sem baterem de porta em porta nos Ministérios em Brasília.

Por fim, manterei vigilância sobre a educação com atenção especial para os cursos profissionalizantes, um trabalho que desenvolvo também desde o meu primeiro mandato na Câmara dos Deputados. A presidenta Dilma melhorou muito o quadro, aproveitando-se das bases criadas pelo ex-presidente Lula, mas há ainda muito por fazer no campo da qualificação profissional dos nossos jovens.

Bem, inicio o ano parlamentar com disposição para o trabalho e com a esperança de que Deus em sua infinita bondade me dê saúde para cumprir a honrosa missão que a população do Estado do Rio me concede de poder servi-lo.

Novo viaduto de Nilópolis

Nilópolis perdeu uma boa oportunidade.

Faz uma semana! O deputado Simão Sessim preferiu o silêncio, depois de proclamados os resultados da campanha para prefeito de Nilópolis. Com justo motivo. Ele tem dado a sua vida ao povo de Nilópolis. Tem sido incansável na busca de melhores oportunidades de obras e realizações para tornar a cidade um exemplo em qualidade de vida.

Ele se empenhou muito na campanha para reeleição do prefeito, presente nas ruas todos os dias, em visitas aos eleitores, caminhadas, reuniões. Simão Sessim gravou vídeos, mensagens para o telemarketing, enviou carta pessoal aos eleitores.

Novo viaduto de Nilópolis

Novo viaduto de Nilópolis

O dia dele em Nilópolis começava cedo, às sete da manhã. Os adversários se uniram e trabalharam intensamente uma onda de mentiras e boatos. As pesquisas do GERP, contratadas pela campanha, até uma semana antes da eleição anunciavam empate técnico. Nas duas últimas semanas, uma distância em favor do Sérgio Sessim, de cinco pontos na primeira e doze pontos na segunda. A eleição não confirmou a progressão.

Mas, a democracia determina que os vencidos e vencedores se curvem aos resultados das eleições. A diferença de votos foi pequena. Fosse uma pesquisa, ela estaria no campo do empate técnico. A maioria da população de Nilópolis preferiu mudar, oferecer à oposição, uma oportunidade. O tempo dirá. Verdade é, contudo, que Nilópolis estava no caminho certo, de construção de um ambiente com mais qualidade de vida para todos.

Em pouco tempo, o governo Sérgio Sessim eliminou as enchentes, acabou com o lixão, ampliou consideravelmente o fornecimento de água potável, criou uma área magnífica de lazer e prática de esportes. Ao lado disso, construiu a UPA 24 horas, reduziu o stress e a insegurança no trânsito com o novo viaduto. Ofereceu novos espaços para o incentivo à cultura e recebeu prêmios de qualidade na educação. No lugar onde estava o lixão, hoje está um Centro Vocacional Tecnológico Moderno. que abre para os jovens oportunidades de qualificação profissional e novos empregos.

Mas, fizemos uma campanha limpa, sem agressões, sem mentiras. Apostamos no trabalho.  O vídeo aqui publicado dá bem a dimensão do trabalho que foi feito.

Caminhada Rua Mário Valadares / N. Horizonte (27/08)

Agora é tempo de eleição. É tempo de Serginho.

Divulgação - http://ow.ly/dSW1W

Divulgação – http://ow.ly/dSW1W

A arte de governar uma cidade é, talvez, a mais bela de todas as artes. E, em Nilópolis, minha cidade; cidade em que fui prefeito e represento há 36 anos na Câmara dos Deputados (nove mandatos consecutivos de deputado federal), o Engenheiro Sérgio Sessim concorre à reeleição. Uma honra pra mim como pai e como político, que entende a política como serviço público. Nilópolis é o coração do meu mandato, lugar em que criei meus filhos e vejo os meus netos crescerem com dignidade, respeito e atenção.

Desde criança, Sérgio Sessim participa das minhas campanhas eleitorais. Ele e o irmão, Marcelo, outro filho querido. Os dois e a mãe, hoje falecida, no quintal da minha casa em Nilópolis, nos tempos das campanhas, eram dedicados organizadores do meu material de campanha e agenda. Atendiam com cordialidade e dedicação cada pessoa que batia no portão atrás de orientação e ajuda.

Marcelo hoje é médico e Sérgio, engenheiro. Nenhum dos dois pensava em ingressar na política, até que o Prefeito de Nilópolis eleito em 2000, Farid Abrão David convocasse o Sérgio para a obra magnífica de reconstrução da cidade. Nilópolis tinha sido quase toda destruída por dois períodos de governo, um do Neca e outro do seu escolhido, José Carlos Cunha. O Marcelo continua na medicina e ajuda o seu irmão com o trabalho gratificante, mas, por vezes, doloroso, de administrar Nilópolis.

Sérgio Sessim se destacou com as obras de reconstrução. A população de Nilópolis, então, decidiu que ele deveria ser o Prefeito da Cidade. E, ele lá está e já conta mais de 600 obras de reconstrução, embelezamento, de infraestrutura. Obras que deixaram para trás os tempos das grandes enchentes, da falta de água, de espaço para o verde e para a conservação do meio-ambiente. Sérgio dedicou tempo e recursos expressivos à educação e à saúde. Nilópolis é, no presente, uma cidade com bom nível de qualidade de vida, premiada com os melhores prêmios de excelência na educação.

Serginho, é assim que eu e a família o chamamos, tem dado lições de gestão pública responsável. O volume grande de dinheiro movimentado na cidade com os canteiros de mais de 600 obras não foi suficiente para fazer com que ele perdesse o controle dos recursos. Serginho é rigoroso fiscal do dinheiro público. Nenhum tostão é desperdiçado ou desviado. As suas contas estão aprovadas sem dificuldades pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro.

A sua seriedade é seu melhor cartão de visitas, quando eu e ele, batemos às portas do governo federal e do governo estadual á busca de recursos para as obras e realizações. Um trabalho que me gratifica muito.

Os meus filhos são motivos de minhas orações, a maior parte delas, de agradecimento a Deus pela esposa que tive e pela ajuda que dela recebi na educação dos meninos.

Gestão de Resíduos Sólidos da Baixada Fluminense

Gestão de Resíduos Sólidos da Baixada Fluminense

Gestão de Resíduos Sólidos da Baixada Fluminense

Gestão de Resíduos Sólidos da Baixada Fluminense

O SR. SIMÃO SESSIM (PP-RJ. Sem revisão do orador.) – Sra. Presidente, gostaria de registrar, com muita satisfação, a assinatura de protocolo de intenção pelos Prefeitos Sérgio Sessim, de Nilópolis; Alcides Rolim, de Belford Roxo; Sheila Gama, de Nova Iguaçu; José Camilo Zito, de Duque de Caxias, e Sandro Matos, de São João de Meriti, que forma o Consórcio Público de Gestão de Resíduos Sólidos da Baixada Fluminense, região que tenho a honra de representar nesta Casa.

O encontro, que aconteceu no final de maio no Centro Municipal de Eventos de Nilópolis, vai tirar um grande peso, no que tange ao orçamento anual, das costas das prefeituras e dar um destino seguro a cerca de 3.500 toneladas de resíduos da construção civil na Baixada Fluminense, volume infinitamente superior ao da geração de lixo domiciliar.

Com a criação do Plano de Resíduos Sólidos da Baixada Fluminense, o que se verifica é que todo o entulho decorrente da construção civil não será mais despejado próximo a córregos, margens de rios, nascentes ou em outros locais impróprios.

Com o consórcio, Sr. Presidente, todo este material poderá ser descartado ou depositado, como queiram, por pequenos geradores, em 107 ecopontos, que serão construídos até 2013, para a captação do entulho, beneficiando cerca de 3 milhões de moradores da região.

Como é do conhecimento público, a medida, que demorou nada mais, nada menos que 21 anos de tramitação no Congresso Nacional, atende à lei que estabeleceu um marco regulatório no tocante ao lixo que pode ser reaproveitado ou reciclado, instituindo, assim, responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, abrangendo fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, serviços públicos de limpeza sólidos.

Com a lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos, sancionada pelo Presidente Lula, em 2010, será possível dar uma destinação final, ambientalmente adequada, aos rejeitos domésticos, industriais, da construção civil, de eletroeletrônicos, de lâmpadas de vapores mercuriais, entre outros resíduos.

Resta-me, portanto, felicitar todos os prefeitos envolvidos e o Governador Sérgio Cabral, que está destinando R$28 milhões do Fundo Estadual de Conservação Ambiental, o FECAM, para que a medida seja coroada de êxito, em defesa do Meio Ambiente, da saúde e da qualidade de vida do povo da Baixada Fluminense.

Muito obrigado, Sr. Presidente.