Brilhante resultado dos filhos dos catadores de lixo de Gramacho

Discurso do Dia 10/08/2011

Deputado Simão Sessim discursa sobre o brilhante resultado dos filhos dos catadores de lixo de Gramacho nas provas de avaliação do chamado Saerjinho. Aproveita, também, para cumprimentar o diplomata Celso Amorim por sua posse no Ministério da Defesa.

Discurso proferido dia 10.08.2011

O SR. SIMÃO SESSIM (PP-RJ. Sem revisão do orador.) – Agradeço ao meu querido Pastor Vitor, um amigo, um colega de bancada.
Apenas para registrar, Sr. Presidente, que seja inserido nos Anais desta Casa uma matéria da jornalista Maria Luisa Barros, publicada no jornal O Dia, que noticia os resultados obtidos pelos alunos das escolas públicas estaduais do Rio de Janeiro nas provas de avaliação do chamado Saerjinho. Entre os primeiros lugares estão os filhos dos catadores de lixo de Gramacho, em Duque de Caxias.
Por isso o nosso apelo para que V.Exa. autorize a inserção nos Anais desta Casa dessa matéria, que é uma lição de superação.
Registro também, Sr. Presidente, pronunciamento em que cumprimento o Ministro, professor e diplomata Celso Luiz Nunes Amorim, empossado em importante cargo pela Presidente Dilma nesta segunda-feira, no Palácio do Planalto.
Obrigado.

Brilhante resultado dos filhos dos catadores de lixo de Gramacho

O SR. PRESIDENTE (Marçal Filho) – Muito bem. Estão registrados os pronunciamentos de V.Exa.

PRONUNCIAMENTO ENCAMINHADO PELO ORADOR

Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, eu não poderia deixar de prestar minhas homenagens, da tribuna desta Casa, ao ilustre professor e diplomata Celso Luiz Nunes Amorim, empossado nesta segunda, pela Presidente Dilma Rousseff, em uma cerimônia muito concorrida no Palácio do Planalto, no importante cargo de Ministro da Defesa.
Celso Amorim, Sr. Presidente, como todos nós sabemos, tem uma folha imensa de serviços prestados à Nação brasileira, desde a sua passagem pela direção da EMBRAFILME, na gestão do Presidente João Baptista Figueiredo. Desde então, não parou mais de servir ao povo brasileiro. Trata-se de um homem de Estado, funcionário de carreira, sempre dedicado às grandes causas públicas.
Filho querido da cidade de Santos, em São Paulo, Celso Amorim tem todos os predicados necessários para ajudar o Governo brasileiro a levar este País rumo a uma sociedade mais livre, mais justa e mais igualitária.
Como disse S.Exa. a Presidente Dilma Rousseff, mudanças importantes sempre provocam tensão, mas elas requerem cuidados, cobram sensatez e exigem escolhas bem refletidas. Até porque muitos projetos estratégicos estão em andamento no Ministério da Defesa e não podem sofrer rupturas, atrasos ou adiamentos.
E, certamente, nobres Deputados, foi exatamente com essa preocupação que a Presidente Dilma Rousseff escolheu o Ministro Amorim, como ela mesma disse, ontem, ao empossá-lo: o homem certo para o lugar certo. S.Exa. está convicta de que, com o novo Ministro da Defesa, os projetos terão continuidade e ganharão maior velocidade e solidez.
Outro aspecto positivo, muito favorável ao cargo que o Ministro Amorim acaba de assumir, diz respeito às suas qualidades pessoais, conforme revelou a Presidente Dilma, e que o aproximam muito dos militares, a exemplo de sua cultura, do espírito de coleguismo, o jeito moderado de se manifestar publicamente, além, é claro, do profissionalismo, da disciplina e, sobretudo, do respeito à hierarquia.
Foi bom, da mesma forma, ouvir o próprio Ministro manifestar, publicamente, o seu compromisso no sentido de se dedicar, de se empenhar pessoalmente pelo fortalecimento da indústria nacional de material de emprego militar e pela ampliação da autonomia tecnológica de nossas Forças Armadas.
Isto posto, Sr. Presidente, só me resta felicitar a Presidente Dilma Rousseff pela brilhante escolha e torcer para que o Ministro Amorim supere as nossas expectativas em defesa de um povo que luta com todas as armas disponíveis pelo fortalecimento do Estado Democrático de Direito, em busca do engrandecimento do Brasil.
Passo a abordar outro assunto, Sr. Presidente.
No domingo, uma matéria chamou a minha atenção de um modo especial. Elaborada pela jornalista Maria Luisa Barros e publicada pelo jornal O Dia, ela noticia os resultados obtidos pelos alunos das escolas públicas estaduais do Estado do Rio de Janeiro nas provas da avaliação chamada Saerjinho. Entre os primeiros lugares estão os filhos dos catadores de lixo de Gramacho, Duque de Caxias.
O fato merece destaque e uma homenagem especial. E o modo que tenho para homenagear os alunos e professores de Gramacho é deixar registrado o texto da matéria nos Anais da Câmara dos Deputados, para que as gerações de agora e do futuro conheçam a imensa capacidade de superação de jovens e adolescentes que encontraram na educação os seus melhores instrumentos de reforma da realidade.
Compõe a matéria a foto de uma bela adolescente, Adriele, em meio ao lixão, tendo no fundo a sua mãe, Neuza e a sua irmã, catadoras de lixo, tendo em mãos o sugestivo livro Ciências, Natureza e Cotidiano, encontrado ali.
A matéria homenageia também os professores daqueles alunos, hoje à beira do sacerdócio, gente que não mede esforços para construir um Brasil melhor.
Assim sendo, deixo aqui o registro da matéria Do lixo à elite das escolas da rede pública estadual, de Maria Luisa Barros:

Lições de superação de pais, alunos e professores estão levando escolas do interior e da Baixada ao topo do ensino público no estado do Rio. Resultado do primeiro Saerjinho (provão de avaliação) do ano mostra que das 1.457 escolas da rede estadual, as seis melhores do 9º ano do Ensino Fundamental estão em Trajano de Morais, Cardoso Moreira, Duque de Caxias, Porciúncula e Conceição de Macabu. A melhor da região metropolitana é formada, basicamente, por filhos de catadores de lixo.

Por trás do bom desempenho de estudantes na avaliação da Secretaria Estadual de Educação para medir o aprendizado em Português e Matemática, histórias de famílias pobres que não medem esforços pelo futuro dos filhos. Na melhor escola da região metropolitana do Rio, a Escola Estadual Lara Villela, em Caxias, muitos alunos são filhos de catadores do Aterro Sanitário de Jardim Gramacho.

Como Adriele da Silva Lopes, 15 anos, que tem planos de voar mais alto que os pais e se tornar aeromoça. ‘Quero ser alguém na vida e ajudar minha família’, sonha a jovem, que está no 9º ano do Ensino Fundamental. O apoio vem da mãe, a catadora Neuza Maria da Silva Lopes, 34, que estudou só até a antiga 5ª série. ‘Eu trabalho no lixo porque não tive estudo. Mas não quero essa vida para os meus filhos. Por isso brigo muito pela escola e cobro dever de casa’, ensina Neuza, que retira do lixo livros de poemas para a filha. ‘Ela adora poesia’, diz. Não foi à toa que o gosto pela leitura rendeu à escola 81,4% de acertos em Português, maior que o de Matemática (75,9%), numa pontuação de zero a 100.

No ranking geral, a campeã foi a E. E. Doutor José de Moraes Souza, em Trajano de Morais, município de 12 mil habitantes na Região Serrana. Lá os alunos acertaram 87,3% em Português e 95,4% em Matemática. ‘No interior, as famílias participam mais da vida escolar’, avalia o secretário de Educação, Wilson Risolia.

Na campeã, km de caminhada e nenhuma falta Jovens que estudam no interior se saem melhor do que os colegas de escolas da região metropolitana. Foi o que apontou o Saerjinho. Nos pequenos municípios fluminenses, 75% dos estudantes tiveram desempenho bom e alto, contra 66% dos alunos dos grandes centros urbanos.

‘Aqui eles não são só um número na chamada. Todos se conhecem e isso facilita o aprendizado’, diz o diretor Joarênio Neves Olegário, da E. E. Dr. José de Moraes Souza, em Tapera, distrito de Trajano de Morais, a primeira colocada. Segundo ele, mesmo enfrentando quilômetros a pé para pegar o ônibus que leva até a escola, os alunos não desanimam: ‘Temos 100% de frequência’.

O incentivo aos estudos vem das olimpíadas do conhecimento disputadas entre escolas da cidade, oficinas de leitura e cumprimento do currículo mínimo adotado pela secretaria para orientar escolas sobre o conteúdo que deve ser dado nas disciplinas.

Para Paolo Fontani, coordenador da Unesco no Brasil, a participação da comunidade faz a diferença: ‘Pais devem ter a consciência do ensino para o futuro dos filhos. A educação é a única chance para que cada um possa mudar a condição em que vive’.

De olho grudado no quadro de metas

Em Caxias, alunos do C. E. Lara Villela não tiram o olho do painel de gestão colado na parede. Lá estão as metas de desempenho – frequência de alunos e professores, presença dos pais nas reuniões, prevenção da gravidez entre outras -, que devem ser melhoradas a cada dois meses, com a supervisão da Secretaria de Educação. ‘Se estamos no vermelho temos que trabalhar para chegar no verde’, explica a diretora Delorne Bruno Maia.

Na escola onde estudam 600 alunos do 6º ao 9º ano, além do noturno para adultos, eles têm aulas de xadrez, vídeo, produção de texto com jornais e praticam vôlei e futsal. ‘Antes ajudavam os pais a catar lixo. Agora ninguém fica ocioso. Se agarram a qualquer oportunidade de poder sair da vida que levam’, reconhece Delorne.

Comentário

Leave a comment

%d blogueiros gostam disto: